A longevidade da população apresentou um forte crescimento nas últimas décadas e mantém esta tendência, o que é notado pelos adultos jovens e de meia idade com a percepção da importância em ter um estilo de vida saudável, na busca da saúde do corpo e da mente, preparando-se para o envelhecimento de forma plena e ativa.

Assim, ao longo do tempo cada vez mais dados sobre bem-estar e saúde são coletados por hospitais, clínicas, médicos, etc., somando-se aos que são coletados em tempo real com o uso de dispositivos pessoais que monitoram medidas ambientais e biométricas em atividades físicas, aumentando o volume e a sua importância. Também se nota que parte importante deles, em razão da sua dispersão, estruturas de dados incompatíveis e semântica divergente, são pouco utilizados e até mesmo perdidos, recebendo pouca ou nenhuma proteção.

Assim, depara-se com o desafio de torná-los interoperáveis, seguros, sigilosos, e disponíveis em rede de alta disponibilidade, para que se transformem em informação e conhecimento, beneficiando o indivíduo e a sociedade.